domingo, 2 de junio de 2013

POEMAS EM PORTUGUÊS (IX)


SINCERAMENTE

Meu coração sinceramente chora,
Chora e chora cedo,
Porque, não como eu quiser,
Da terra lusa fico perto.


Tenho ar do Algarve,
Tenho canções de Lisboa,
Tenho jeito de Coimbra,
Minha alma, nua, chora.


Tenho rochas do Estoril,
Tenho a fé de Fátima,
Tenho o sabor do Porto,
Tenho a imagem de Alcobaça.


Tenho sinceridade na pele,
E pouca luz nos olhos,
As mãos sempre frias,
O coração, quente, meloso....


Sinceramente penso e sinto,
E não é possível "talvez";
Pois com sincera segurança,
Meu coração é português.









ANTONIO MORENO RUIZ: UNA POESÍA BRASILEÑA.


ANTONIO MORENO RUIZ: UNA POESÍA BRASILEÑA (2).


PORTUGAL: SEMPRE NA INSPIRAÇÃO


PORTUGAL: SEMPRE NA INSPIRAÇÃO (2)



PORTUGAL: SEMPRE NA INSPIRAÇÃO (3).
 


SAUDADE DE PORTUGAL.

SAUDADE DE PORTUGAL (II).

SAUDADE DE PORTUGAL (III).


SAUDADE DE PORTUGAL (IV).
 
 ENTRE A SAUDADE DE PORTUGAL E UMA POESIA BRASILEIR...

SAUDADE DE PORTUGAL (V).
 
 SAUDADE DE PORTUGAL (VI).

POEMAS EM PORTUGUÊS.

POEMAS EM PORTUGUÊS (2).

POEMAS EM PORTUGUÊS (3).

POEMAS EM PORTUGUÊS (4).


 
POEMAS EM PORTUGUÊS (5).


POEMAS EM PORTUGUÊS (VI).


POEMAS EM PORTUGUÊS (VII).


POEMAS EM PORTUGUÊS (VIII).