miércoles, 11 de diciembre de 2013

POEMAS EM PORTUGUÊS (XV)



COMO BRASILEIRO?

“Me dizem que já estou falando como brasileiro”,
que o meu sotaque já muito mudou,
que gosto da caipirinha demais,
que já tão português não sou.


Mas... Como pode ser isso?
E sem desmerecer o Brasil,
já começo a preocupar-me,
já, já estou a sentir....


Porque ainda em Almedina está meu coração,
sonhando com fados por toda Coimbra,
minha alma não deixa Fátima,
minhas lembranças sempre serão algarvias.


Sempre me vejo pela Praça do Rossio em Lisboa,
e merendando pastéis de Belém perto do Mosteiro dos Jerónimos,
sou espanhol da Andaluzia, fronteiriço,
mas é como se tivesse um luso heterónimo.


Na verdade, na verdade... Pois não! Sim,
“do Brasil eu gosto, eu gosto sim”,
mas não quero perder nada do meu "portuguesismo",
porque se assim fosse, eu já seria outro.